Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 19 de maio de 2022 - 2h19
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 

Dicas para uma pesca tranqüila

Conhecer as áreas de pesca brasileiras, bem como a legislação aplicada pelo Ibama pode auxiliar pescadores


SATISFAÇÃO - Pesquisa pode auxiliar e até garantir um bom divertimento aos pescadores

 

Arquivo / Jornal NippoBrasil / Divulgação

Quem é novo no mundo da pesca, quer investir tempo nesse novo hobby e pretende aproveitá-lo não só para fugir do estresse diário, mas também para desenvolver novas habilidades, é preciso ficar atento aos “detalhes legais”. As precauções são necessárias para que o divertimento não seja frustrado por algum eventual problema gerado pela falta de conhecimento e de dicas para uma boa pesca.

Para os pescadores iniciantes e mesmo aqueles que costumam praticar a pesca de forma desatenta, é bom conhecer a legislação aplicada aos adeptos dessa atividade de acordo com as orientações e determinações do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Já para quem está se aventurando agora nesse novo passatempo, é bom conhecer as regiões de pesca brasileiras e as principais características de cada uma. As dicas são úteis e podem auxiliar o pescador a escolher o ambiente ideal para sua pesca e especificar os peixes de maior interesse, de acordo com sua ocorrência em cada região do Brasil. Veja os boxes e anote as dicas!

Pescaria por todo o Brasil

Veja algumas características das grandes regiões de pesca do Brasil:

Bacia Amazônica – A maior bacia hidrográfica do mundo também possui a maior diversidade de peixes do planeta: cerca de 2.500 a 3 mil espécies. Entre os peixes esportivos, estão: apapás, aruanã, bicuda, cachorra, dourada, jaú, piraíba, jurupoca, piranha, tambaqui, traíra, pescada, tucunaré, entre outros. Os rios mais conhecidos pela infra-estrutura pesqueira oferecida são o Negro, o Madeira e o Uamutã.

Bacias do Atlântico Sul – As pequenas e médias bacias hidrográficas encontradas ao longo do litoral são chamadas de Bacias do Atlântico Sul. Elas se dividem em três regiões: Norte–Nordeste, Leste e Sudeste–Sul. No trecho Norte–Nordeste, a grande quantidade de tarpão encontrada no Amapá gera boas condições para a pesca esportiva dessa espécie. Nos trechos Leste e Sudeste–Sul, a inserção da truta arco-íris teve ótima adaptação.

Bacia do São Francisco – A única bacia totalmente brasileira possui cerca de 150 espécies de peixes já identificadas. Apesar dos problemas ambientais da região, alguns lugares ainda podem oferecer uma boa pescaria. Dourados, surubins, matrinxãs, piaparas, corvinas, traíras entre outras espécies podem ser capturadas em suas águas.

Bacia do Prata – A segunda maior bacia da América do Sul. No último trecho não represado do Rio Paraná, mais de 200 espécies podem ser encontradas. No Pantanal Mato-Grossense, os pescadores amadores costumam capturar pacus, pintados, cacharas, piranhas, dourados, piraputangas, jurupocas, barbados, entre outros. No Rio Uruguai, a pesca amadora ainda não é muito praticada, apesar do grande potencial que ele oferece.

Bacia Araguaia – Cerca de 300 tipos de peixes já foram encontrados nessa bacia. Anualmente, são 18 mil pescadores entre os Rios Araguaia, Aruanã e Luiz Alves. Algumas espécies: pacu-caranha, matrinxã, pirarucu, piau-flamengo, pacu-prata, sardinha, corvina, traíra entre os peixes de escama; e filhote, cachara, barbado, pirarara, jaú, mandubé e surubim-chicote entre os peixes de couro.

Fonte: Programa Nacional de Desenvolvimento da Pesca Amadora (PNDPA)

Pescador, fique atento à legislação!

Para os pescadores amadores, o Ibama solicita o licenciamento para a pesca (válido em todo o território nacional) e, uma vez cadastrado em qualquer região do País, não é preciso pagar a licença estadual. Entretanto, as normas estaduais devem ser respeitadas, caso sejam mais restritivas do que as normas federais.

São dispensados da licença para a pesca amadora o pescador desembarcado, que utiliza somente linha de mão ou vara, linha e anzol; o menor de 18 anos, não tendo direito à quantidade de pescado prevista em norma; e o aposentado ou maior de 65 anos (60, no caso das mulheres), desde que não afiliado a clubes ou associações de pescadores amadores.

O limite de cota de captura e transporte por pescador é de 10 kg mais um exemplar para águas continentais e 15 kg mais um exemplar para águas marinhas e estuarinas.

Outro fator a ser respeitado pelos pescadores é o período da piracema, quando os peixes sobem os rios para desova e procriação. Anualmente, entre os meses de outubro e novembro, o Ibama edita portarias para definir o “período de defeso” da piracema em cada bacia hidrográfica.


Arquivo NippoBrasil - Edição 288 - 15 a 21 de dezembro de 2004
 Arquivo - Pesca
Edição 288
Dicas para uma pesca tranqüila
Edição 286
Conheça alguns dos paraísos dos pescadores espalhados pelo Brasil
Edição 285
Variedade de iscas vivas sempre ajuda
Edição 281
Isca araçatubinha: original é feita em madeira
Edição 275
Emater divulga produção de tilápia
Edição 271
Rio Aguapeí: pescaria com muita beleza
Edição 269
Piscicultores precisam melhorar a qualidade do peixe para evitar prejuízos
Edição 263
Ainda há peixes nobres no Rio Paraná
Edição 261
Brasileiros mantêm pesca como hobby no Japão
Edição 259
Carpas coloridas criadas em Mogi das Cruzes
Edição 258
Pesca subaquática no interior de SP
Edição 257
Mexilhão dourado: espécie pode causar danos à piscicultura no MS
Edição 256
Equipe Tucunaguisa em busca de tucunarés entre São Paulo e Mato Grosso do Sul
Edição 254
Corvina: uma pesca muito especial
Edição 253
Desprezadas, piranhas superlotam o Tietê
Edição 252
Descoberta nova espécie de peixe no MS
Edição 250
O tão amado e tão odiado Black Bass...
Edição 249
Tucunaré, peixe de qualquer época nos lagos hidrelétricos do interior de SP
De encontro aos peixes gigantes...
Pesca e stress
Sinta a esportividade do Tucunaré em Panorama
Numa pescaria, o que vale é a AMIZADE...
Marlin-azul tem a primeira marcação eletrônica do Brasil
Conheça os peixes Apapá e o Pampo
Tucunaré, problema ou solução?
Dicas de Pescador
História de pescador
Mulheres na pesca - Sorte ou azar?
As estrelas do inverno
Mulheres nos pesque-pagues
Tambacus, brigadores indiscutíveis
Pescarias nos pesque-pague
Em busca dos tucunarés gigantes
Alto-mar: uma pescaria fascinante
Confira alguns nós mais utilizados nas pescarias
Embarcar numa excursão de pesca vale a pena?


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados