Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Segunda-feira, 04 de julho de 2022 - 9h50
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 

O tão amado e tão odiado Black Bass...

Originário do Canadá, esse peixe não é tão voraz como a Traíra
e nem tão brigador como o Dourado


DICAS - Nélson Maciel com um exemplar de Black Bass nas mãos: espécie pode ser capturada em qualquer época do ano

 

Arquivo Jornal Nippo-Brasil

É, nunca houve nem haverá um peixe que provoque nos pescadores esportivos sentimentos tão antagônicos como o Black Bass. Alguns peixes são odiados, como o Baiacú, mas o número de pescadores que defende ou gosta desse simpático barrigudinho é ínfimo. Eu sou um deles. Os Tucunarés são amados a ponto de serem elevados como símbolos da pesca esportiva no Brasil. E são muito poucos que contestam esse fato. Eu sou um deles. Ao meu ver, o peixe símbolo deveria ser o Dourado, pena que ele está acabando.

Mas o Black Bass...esse intruso, que veio de carona na bagagem de muitos diretores da antiga Companhia de Força e Luz, na primeira metade do século, se ambientou muito bem por aqui.Portanto, não deveria provocar a ira insana de muitos que o combatem como um invasor de nossas águas. Assim como as Tilápias, invasoras de uma capacidade reprodutiva assombrosa, que povoam cada represa, cada açude e cada lago, o Black Bass é uma benção aos pescadores.

Com tantas represas que destruíram o caminho natural dos rios, seus peixes e todo ecossistema que existiam às suas margens, que outro peixes poderiam suportar o sobe e desce do nível das águas? Represem os rios do Pantanal, como foi feito com o grande Rio Iguaçu que nasce aqui em Curitiba, e vocês verão o que acontecerá com os peixes. Sem condições de realizar a Piracema, desapareceram. Assim como os Dourados estão desaparecendo do Rio Paraná. Mas o Black Bass movimenta bilhões de dólares num país que o acolheu como um intruso. Sim, o Black Bass é do Canadá e não dos Estados Unidos.

E movimenta outros milhões de ienes também no Japão. Assim, percebe-se que em muitos países eles são amados. Porque só os Black Basses são tão combatidos?

Afinal, o Black Bass é um peixe não tão voraz como as nossas Traíras, nem tão brigadores como nossos Dourados, nem tão rápidos e ladinos como nossas Tabaranas, nem tão vistosos como nosso Tucunarés. Isso sem falar nos Robalos, Matrinxãs e outros peixes igualmente famosos .

Então por que tantas paixões despertadas por este pequeno salmonídeo que aqui em nossas águas dificilmente ultrapassam os 3 kg, já que em outras águas exemplares de 8, 9 kg são comuns? Talvez por desconhecimento.

Considero a pesca do Black Bass uma das mais técnicas, assim como a pesca de Robalos. Não é só chegar e jogar a isca. Temos de estudar as condições atmosféricas, a turbidez da água, a luminosidade do dia, a estação do ano. Não é fácil. Talvez por muitas pessoas terem voltado de mãos vazias de suas pescarias de Black Bass, tanto ódio é despertado pela espécie .

Teoricamente, todas as iscas são produtivas para a pesca de Bass. Na prática, é completamente diferente. Perguntem a quem os ama. Eu sou um deles. A isca que fez sucesso ontem, não fará hoje. E a que foi fulminante hoje, não servirá para a pescaria de amanhã. Qual é o outro peixe que tem este comportamento?

É este o motivo que o faz amado. O desafio de acertar a melhor isca. Aliás, o desafio de descobrir qual será essa isca. Isto faz de cada pescaria uma pescaria diferente.

Mesmo que seja no mesmo local, isto porque o Bass é um peixe residente. Se for pescado e solto no mesmo local, no mesmo local estará amanhã e depois. E com certeza, jamais será fisgado com a mesma isca, mesmo em dias diferentes .

E os locais de pesca? No frio é um comportamento, no calor é outro. Aliás, essa é uma das grandes vantagens dos Back Bass. Podem ser pescados na primavera, verão outono e inverno. Interessante isto. A Traíra, que é um peixe muito esportivo, já não é tão versátil, assim como as reprodutivas Tilápias. E os Lambaris, ávidos comedores de ovas. Por que ninguém odeia os Lambaris ? Eles são os maiores predadores de nossas águas? E as Piranhas?

Pois bem amigos, seriam muitas as perguntas e as respostas por que amar o Black Bass. Mas para o ódio que desperta entre tantos pescadores só vejo três respostas: o fato de ser um peixe exótico, a dificuldade de pescá-lo e a falta de conhecimento da espécie.

O dia que os adversários dessa espécie aprenderem a pescá-lo e o conhecerem, o fato de ser exótico será deixado de lado. E será tão amado como os outros peixes esportivos.


Arquivo NippoBrasil - Edição 250 - 17 a 23 de março de 2004
 Arquivo - Pesca
Edição 288
Dicas para uma pesca tranqüila
Edição 286
Conheça alguns dos paraísos dos pescadores espalhados pelo Brasil
Edição 285
Variedade de iscas vivas sempre ajuda
Edição 281
Isca araçatubinha: original é feita em madeira
Edição 275
Emater divulga produção de tilápia
Edição 271
Rio Aguapeí: pescaria com muita beleza
Edição 269
Piscicultores precisam melhorar a qualidade do peixe para evitar prejuízos
Edição 263
Ainda há peixes nobres no Rio Paraná
Edição 261
Brasileiros mantêm pesca como hobby no Japão
Edição 259
Carpas coloridas criadas em Mogi das Cruzes
Edição 258
Pesca subaquática no interior de SP
Edição 257
Mexilhão dourado: espécie pode causar danos à piscicultura no MS
Edição 256
Equipe Tucunaguisa em busca de tucunarés entre São Paulo e Mato Grosso do Sul
Edição 254
Corvina: uma pesca muito especial
Edição 253
Desprezadas, piranhas superlotam o Tietê
Edição 252
Descoberta nova espécie de peixe no MS
Edição 250
O tão amado e tão odiado Black Bass...
Edição 249
Tucunaré, peixe de qualquer época nos lagos hidrelétricos do interior de SP
De encontro aos peixes gigantes...
Pesca e stress
Sinta a esportividade do Tucunaré em Panorama
Numa pescaria, o que vale é a AMIZADE...
Marlin-azul tem a primeira marcação eletrônica do Brasil
Conheça os peixes Apapá e o Pampo
Tucunaré, problema ou solução?
Dicas de Pescador
História de pescador
Mulheres na pesca - Sorte ou azar?
As estrelas do inverno
Mulheres nos pesque-pagues
Tambacus, brigadores indiscutíveis
Pescarias nos pesque-pague
Em busca dos tucunarés gigantes
Alto-mar: uma pescaria fascinante
Confira alguns nós mais utilizados nas pescarias
Embarcar numa excursão de pesca vale a pena?


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados