Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Segunda-feira, 04 de julho de 2022 - 10h05
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 

Brasileiros mantêm pesca como hobby no Japão

Competição no Pesqueiro Denpachi, em Nato, reuniu 75 pescadores


Mário Saito fisgou um hamati de 5 kg pela cauda

 


Para Eduardo Kauroki, pescaria é divertido como beisebol


Hiroshi Furuga e o filho Thiago exibem o peixe da honra

Arquivo NB / Antônio José do Carmo / Divulgação

Um campeonato de pesca realizado no final de maio, em Nanto, distrito de Watarai (Mie), comprovou que a pesca continua em alta entre os brasileiros. A competição reuniu nada menos que 75 participantes no pesqueiro Denpachi.

Mais do que uma aventura que começa na boca da madrugada, o evento é uma revelação de que o máximo dos exageros das histórias de pescadores pode ser pouco quando o objetivo é desvendar as razões que provocam a paixão pela modalidade. Acredite quem quiser, mas o campeonato comprovou que nem todo peixe morre pela boca. E, surpreendentemente, que há seres aquáticos com tendência vegetariana, fissurados em tomates.

Pescador desde os 12 anos de idade, Mário Saito, 33, que mora na cidade de Yokkaichi (Mie), conseguiu uma proeza inédita. Ele pegou um hamati de 5 kg pela cauda. “Já fisguei pela barriga, mas pelo rabo foi a primeira vez”, conta. A façanha, contudo, deixou o brasileiro envergonhado. “É triste, dolorido, incluir a experiência em meu currículo, porque considero que foi apenas um golpe de sorte e não domínio de técnica.”

Saito acredita que o peixe estava atrás da isca, virou de repente e acabou prendendo a cauda no anzol. “É mais difícil ter o controle de um peixe fisgado por trás. Pela boca, embora ele perca um pouco da força, a disputa é mais emocionante. É preciso vencê-lo pelo cansaço e pelo conhecimento técnico”, diz. Entre todos, Saito pescou a maior amostra, porém, não competiu por que era integrante da equipe organizadora.

O inusitado teve direito a repeteco com Seijo Massani Kuwahara, 34, de Suzuka (Mie). Com um hamati de 4,85 kg, pescado pela traseira, conquistou o título de campeão, na categoria Peixe Maior. O pescador assina outra façanha curiosa. Ele é o único que utiliza tomates cerejas como isca e por isso ganhou o apelido de Tomateiro. “Vi um pé de tomate no estacionamento do pesqueiro. Apanhei alguns e comecei a utilizar como isca e a coisa funcionou. Eu, que nunca conseguia nada com a isca de dango (massa), peguei sete grandes Tais naquele dia”, conta.

Os amigos, diz Kuwahara, não param com a gozação sobre os peixes vegetarianos. “Acho que eles são atraídos pela cor vermelha dos tomates, a mesma da isca de massa. O único inconveniente é que os frutos são moles e, algumas vezes, a presa escapa”, esclarece.

O brasileiro descobriu o hobby só há seis meses, por intermédio de um amigo que o convidou para conhecer um dos muitos pesqueiros de Mie. Só para matar a curiosidade, ele explicou que a ostentação aurífera não se trata de mandinga de pescador calouro, mas o hábito de nunca se separar do investimento conquistado com o prêmio de loteria.

A multiplicação dos peixes não foi igual para todos. Thiago Makimoto, 17, de Kuwana (Mie), saiu com o saldo de zero peixe. Para outros desencantados, não voltar para casa boozu (carecas de peixe) foi uma questão de honra.

Caso de Hitoshi Furuga, o Chicão, 49, de Yokkaichi, pescador veterano, mas em água doce. “Costumo pescar no lago Biwa (Shiga) e nos rios de Suzuka, porque considero que os peixes fluviais são mais saborosos. As técnicas de pesca para mar e rio são bem diferentes. Aqui, não estou conseguindo encontrar a isca certa”, diz.

Furuga conseguiu salvar a honra quase no final da competição. Seu colega, Marcos Imoto, 34, passou pelo mesmo apuro. Quando pegou, não conteve a emoção. “Olha, Gabi, o peixe que o papai conseguiu pegar”, disse o brasileiro, ao exibir como criança o troféu à filha Gabriela.


Arquivo NippoBrasil - Edição 261 - 9 a 15 de junho de 2004
 Arquivo - Pesca
Edição 288
Dicas para uma pesca tranqüila
Edição 286
Conheça alguns dos paraísos dos pescadores espalhados pelo Brasil
Edição 285
Variedade de iscas vivas sempre ajuda
Edição 281
Isca araçatubinha: original é feita em madeira
Edição 275
Emater divulga produção de tilápia
Edição 271
Rio Aguapeí: pescaria com muita beleza
Edição 269
Piscicultores precisam melhorar a qualidade do peixe para evitar prejuízos
Edição 263
Ainda há peixes nobres no Rio Paraná
Edição 261
Brasileiros mantêm pesca como hobby no Japão
Edição 259
Carpas coloridas criadas em Mogi das Cruzes
Edição 258
Pesca subaquática no interior de SP
Edição 257
Mexilhão dourado: espécie pode causar danos à piscicultura no MS
Edição 256
Equipe Tucunaguisa em busca de tucunarés entre São Paulo e Mato Grosso do Sul
Edição 254
Corvina: uma pesca muito especial
Edição 253
Desprezadas, piranhas superlotam o Tietê
Edição 252
Descoberta nova espécie de peixe no MS
Edição 250
O tão amado e tão odiado Black Bass...
Edição 249
Tucunaré, peixe de qualquer época nos lagos hidrelétricos do interior de SP
De encontro aos peixes gigantes...
Pesca e stress
Sinta a esportividade do Tucunaré em Panorama
Numa pescaria, o que vale é a AMIZADE...
Marlin-azul tem a primeira marcação eletrônica do Brasil
Conheça os peixes Apapá e o Pampo
Tucunaré, problema ou solução?
Dicas de Pescador
História de pescador
Mulheres na pesca - Sorte ou azar?
As estrelas do inverno
Mulheres nos pesque-pagues
Tambacus, brigadores indiscutíveis
Pescarias nos pesque-pague
Em busca dos tucunarés gigantes
Alto-mar: uma pescaria fascinante
Confira alguns nós mais utilizados nas pescarias
Embarcar numa excursão de pesca vale a pena?


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados