Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Segunda-feira, 04 de julho de 2022 - 8h17
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 

Emater divulga produção de tilápia

Programa recomenda viveiros construídos em terra como uma das formas de tornar a atividade mais lucrativa


DESAFIO - Produtividade média da tilapicultura é de cerca de 5 kg por hectare

 

Arquivo / Jornal NippoBrasil / Antônio José do Carmo* / Divulgação

O Modelo Emater de Produção de Tilápias já está sendo divulgado para os produtores das regiões de Cascavel e Toledos. Técnicos da Emater e de outras instituições que lidam com a piscicultura em todo o Estado também estão recebendo o conteúdo desta proposta em encontros, reuniões e cursos.

O objetivo é orientar o produtor rural que cria tilápias, uma vez que hoje ele enfrenta dois grandes desafios. O primeiro, tornar a atividade lucrativa, economicamente viável; e o segundo, atingir este objetivo de forma ambientalmente correta, sem agredir o meio ambiente.

No oeste, onde se concentra o principal pólo de piscicultura do Estado, a extensão rural oficial vem trabalhando com os agricultores da região com a finalidade de ajudar a resolver esse dilema. A experiência exigiu a instalação de diversas unidades de referência e trouxe como resultado a definição do Modelo Emater de Produção de Tilápias em viveiros construídos na terra.

Segundo Luiz Danilo Muehlmann, extensionista que participa do projeto, nas regiões de Toledo e Cascavel a produtividade média da tilapicultura é de aproximadamente 5 mil quilos por hectare. “Neste ambiente, nós vamos encontrar situações bastante diversas. Primeiro, um grupo de criadores que usa pouca tecnologia, conduz as criações sem causar impactos negativos ao meio ambiente; mas, em compensação, colhe pouco e não consegue boa lucratividade”, analisa.

“No outro extremo, identificamos uma outra categoria de piscicultores que adota alto padrão tecnológico, obtém produtividades expressivas – até 30 mil quilos por hectare – e rentabilidade satisfatória, mas que encontra dificuldades para realizar isso de forma segura, sem colocar em risco a qualidade do meio ambiente no entorno das criações. O Modelo Emater de Produção de Tilápias procura aproximar esses extremos e tornar a atividade sustentável tanto do ponto de vista ambiental quanto econômico”, detalha o técnico.

A proposta

Nos sistemas superintensivos de criação, os viveiros mantêm uma grande concentração de peixes por metro cúbico de água e a alimentação deles também é feita de forma artificial, com o uso de rações balanceadas. “Neste caso, então, vamos sempre correr o risco de ter a produção de substâncias indesejáveis (fósforo e nitrogênio, por exemplo) que, quando lançadas no meio ambiente (córregos ou rios), durante o processo de renovação da água do viveiro, acabam se tornando um problema”, explica Muehlmann.

O Sistema Emater de Produção de Tilápias estabelece como meta uma produtividade média entre 10 e 12 toneladas por hectare. Para atingir esse resultado, o piscicultor adota um adensamento menor de peixes por área e pode diminuir o uso de ração balanceada estimulando, através de práticas de fertilização e manejo, a produção de fitoplâncton e zooplâncton para a alimentação dos peixes.

A alimentação representa em média 70% do custo de produção da tilápia. O uso racional deste recurso pode contribuir para a melhoria da rentabilidade e também para a diminuição dos riscos ambientais. O volume de ração que será colocado no viveiro é definido em função da biomassa (volume de peixes existente por metro cúbico de água). Esta, por sua vez, é calculada multiplicando o peso médio dos peixes (definido semanalmente através da biometria) pelo número de alevinos colocado no tanque durante o povoamento.

“Por isso, é muito importante o criador produzir o alevino juvenil. Ao invés de usar diretamente o alevino I, que pesa entre 0,3 e 0,5 gramas, ele vai colocar no viveiro um peixe maior, com 25 gramas. Neste caso, a mortalidade cai para menos de 10%. Um exemplo: o criador coloca 100 alevinos e, na hora de fornecer a alimentação, sabe que tem praticamente a mesma quantidade de animais consumindo a ração. Não há desperdício”, conta Muehlmann.

A aeração artificial é outra tecnologia indicada para melhorar o desempenho produtivo da criação e estabilizar a qualidade da água. “Recomendamos essa prática sempre que a biomassa ultrapassar 6 mil quilos por hectare. Com uma biomassa de 3 mil quilos por hectare, por medida de segurança, o recurso já deve estar disponível. A aeração vai promover uma desestratificação das colunas de água (misturar a água do fundo do viveiro com a de cima); incorporar, ainda, oxigênio da atmosfera e provocar a expulsão dos gases tóxicos, se tiver”, explica o extensionista da Emater.


Arquivo NippoBrasil - Edição 275 - 15 a 21 de setembro de 2004
 Arquivo - Pesca
Edição 288
Dicas para uma pesca tranqüila
Edição 286
Conheça alguns dos paraísos dos pescadores espalhados pelo Brasil
Edição 285
Variedade de iscas vivas sempre ajuda
Edição 281
Isca araçatubinha: original é feita em madeira
Edição 275
Emater divulga produção de tilápia
Edição 271
Rio Aguapeí: pescaria com muita beleza
Edição 269
Piscicultores precisam melhorar a qualidade do peixe para evitar prejuízos
Edição 263
Ainda há peixes nobres no Rio Paraná
Edição 261
Brasileiros mantêm pesca como hobby no Japão
Edição 259
Carpas coloridas criadas em Mogi das Cruzes
Edição 258
Pesca subaquática no interior de SP
Edição 257
Mexilhão dourado: espécie pode causar danos à piscicultura no MS
Edição 256
Equipe Tucunaguisa em busca de tucunarés entre São Paulo e Mato Grosso do Sul
Edição 254
Corvina: uma pesca muito especial
Edição 253
Desprezadas, piranhas superlotam o Tietê
Edição 252
Descoberta nova espécie de peixe no MS
Edição 250
O tão amado e tão odiado Black Bass...
Edição 249
Tucunaré, peixe de qualquer época nos lagos hidrelétricos do interior de SP
De encontro aos peixes gigantes...
Pesca e stress
Sinta a esportividade do Tucunaré em Panorama
Numa pescaria, o que vale é a AMIZADE...
Marlin-azul tem a primeira marcação eletrônica do Brasil
Conheça os peixes Apapá e o Pampo
Tucunaré, problema ou solução?
Dicas de Pescador
História de pescador
Mulheres na pesca - Sorte ou azar?
As estrelas do inverno
Mulheres nos pesque-pagues
Tambacus, brigadores indiscutíveis
Pescarias nos pesque-pague
Em busca dos tucunarés gigantes
Alto-mar: uma pescaria fascinante
Confira alguns nós mais utilizados nas pescarias
Embarcar numa excursão de pesca vale a pena?


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados