PORTAL NIPPOBRASIL ONLINE - 19 ANOS
-
Fale conosco: adm@nippo.com.br   
Sábado, 18 de novembro de 2017 - 6h15
DESTAQUES:
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


.

Opinião - Edição 575 - Jornal NippoBrasil

Esperando o Plano Dilma

Teruo Monobe*

Tão logo saiu o resultado das eleições, que não foi surpresa, os analistas começaram a especular sobre a possibilidade de um Plano Dilma. Verdade que está um pouco cedo ainda para um plano (ou pacote?) econômico, já que nem foi escolhido o ministro da Fazenda. Mas, como dizia um famoso narrador esportivo de sucesso nas décadas de 1960 e 1970, “o tempo passa”: faltam pouco mais de 40 dias para a posse e ainda por cima estão aí as festividades de Natal e Ano Novo. Urge resolver os problemas da economia logo.

Como se diz o ditado popular, “onde há fumaça há fogo”. Se os analistas especulam sobre um possível plano é porque na campanha não se discutiram os problemas brasileiros. A crise mundial está brava e o Brasil não é exceção à regra. Sempre se falou que as coisas estavam tranquilas por aqui, falar diferente era “torcer contra do Brasil”. A verdade é que existem muitos problemas provenientes dos excessos cometidos nos oito anos passados, e muitos deles derivados da grave crise financeira mundial que não vai ser fácil de resolver.

Embora não confesse (e nunca vai confessar) que a situação está difícil, o presidente Lula está deixando alguns problemas que devem ser resolvidos logo. Não é por acaso que a presidente eleita já esteja no olho do furacão, participando da reunião do G-20, que já estava marcada há muito tempo para o mês de novembro. O curioso é que o G do G-20 atualmente está mais para G de Guerra, tal o clima reinante na reunião, depois que os países começaram a se acusar uns aos outros. E, pior, vem aí logo uma guerra comercial com todas as consequências possíveis.

Algumas semanas atrás o Banco Central norte-americano (FED) comunicou ao mundo que iria emitir US$ 600 bilhões para recomprar os títulos de longo prazo para que os juros, que (no curto prazo) estão próximos de zero, caiam ainda mais. Semelhante decisão vai fazer com que o dólar se desvalorize ainda mais, o que vai contra os interesses de chineses e brasileiros, só para citar alguns países emergentes. Na falta do novo ministro da Fazenda e também do novo presidente do Banco Central, vai ficar para a presidente eleita uma decisão difícil.

As questões de discussão nesta reunião do G-20 afetam sobremaneira o Brasil. Não fosse só isso, agora surge a discussão da CPMF, uma contribuição maldita, que só prejudica a economia e as empresas brasileiras. Todos sabem que os argumentos pró são ridículos, difíceis de defender, que continuam saindo todo o dia. O único pensamento aceitável é que, com a maioria no Congresso, o Executivo pode aprovar qualquer coisa. A CPMF tem um histórico horrível no Brasil, e parece que a presidente quer mesmo de volta. Melhor nem pensar.

Outra grande questão é se o País deve continuar com a política de juros elevados, já que, entre outros, esta política castiga a economia. Como temos insistido, a questão não é tão simples de resolver, caso contrário, já teria sido resolvida. Ocorre que é muito fácil para um analista dizer que o País deve baixar os juros, mas na prática não é tão simples assim. Da mesma forma, não é fácil parar com a valorização do real, pois isso depende dos investidores (e especuladores) estrangeiros que ficam procurando mercados imperfeitos para poder auferir polpudos lucros.

Talvez um dos maiores desafios da presidente é com o gasto público que está subindo muito e rapidamente. Talvez esteja aqui a verdadeira herança maldita, por mais que se negue. Os ministeriáveis estão em cima do muro, não podem dizer verdades antes da hora. Mesmo depois da posse, alguns ficariam constrangidos de dizer que existe uma herança maldita. É como a expressão em espanhol: “eu não creio em bruxas, mas que elas existem, isso sim”. O presidente Lula está deixando o governo com um índice de popularidade nunca antes gozado por nenhum governante, mas, como já dissemos, está deixando muitos problemas também.

Como o leitor pôde ver, existe muito campo para especulação. Novo governo sempre pressupõe algo que mude o status quo. Não é possível copiar por mais quatro anos a política de FHC. Se o governo Lula seguiu a cartilha de FHC por dois mandatos, não houve nenhuma herança maldita. Agora, se o novo governo criar o Plano Dilma, então, entra em contradição, significa que há uma herança maldita que precisa ser vencida. Este é o primeiro grande desafio do governo da nova presidente: é muito mais político do que econômico.




*Mestre em Administração Internacional e doutor pela USP

 

 Coluna: Opinião
23/11/2016 - Por Junji Abe
Tite, Temer e o Brasil
20/10/2016 - Por Junji Abe
Imposto mata o Brasil
30/08/2016 - Por Junji Abe
Legado dos Jogos Olímpicos
27/06/2016 - Por Junji Abe
Novos desafios
21/06/2016 - Por Junji Abe
Gênero de 1ª necessidade
20/05/2016 - Por Junji Abe
Missão do presente
04/04/2016 - Por Junji Abe
Melhor qualidade de vida
18/03/2016 - Por Junji Abe
Geração perdida
17/02/2016 - Por Walter Ihoshi
Não podemos jogar a tolha
30/12/2015 - Por Junji Abe
Trio do bem
27/11/2015 - Por Junji Abe
Lama da morte
29/09/2015 - Por Junji Abe
Resgate da policultura
14/09/2015 - Por Junji Abe
Terrorismo tributário
12/06/2015 - Por Junji Abe
Dignidade das domésticas
30/04/2015 - Por Junji Abe
Alerta aos aposentados
26/03/2015 - Por Junji Abe
Chega de imediatismo no Brasil
05/03/2015 - Por Junji Abe
Revolta dos caminhoneiros
25/11/2014 - Por Tetsuro Hori
Por que privatizar o sistema de transporte de massa e quais são os principais benefícios
11/04/2014 - Por Walter Ihoshi
A internet e o futuro de um mundo conectado
10/01/2014 - Por Junji Abe
Ranking do Progresso
18/10/2013 - Por Hélio Nishimoto
Para relembrar Hiroshima e Nagasaki
14/08/2013 - Por Hatiro Shimomoto
Bons usos e costumes
para o Brasil
20/07/2013 - Por Walter Ihoshi
Santas Casas na UTI
05/06/2013 - Por Lizandra Arita
Dia das Mães:
Q ue tipo de mãe é você?
19/04/2013 - Por Kunihiko Chogo
Adaptando-se ao jeito
brasileiro de ser
08/12/2012 - Por Keiko Ota
Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência
13/10/2012 - Por Walter Ihoshi
A importância da transparência dos impostos
Por Teruo Monobe
Inflação
Por Teruo Monobe
Equilíbrio fiscal
Por Teruo Monobe
Balança comercial
Por Teruo Monobe
Brasil caro
Por Teruo Monobe
O que se passa
na economia global
Por Teruo Monobe
Discurso de posse
Por Teruo Monobe
2011 e o longo prazo
Por Teruo Monobe
Ano-Novo, tudo
novo em 2011
Por Teruo Monobe
A volta do ouro
Por Teruo Monobe
Novo governo, velho problema
Por Teruo Monobe
Natal gordo
Por Teruo Monobe
Novamente, a Europa em crise
Por Teruo Monobe
Esperando o Plano Dilma

© Copyright 1992 - 2016 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante.
Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

Sobre o Portal NippoBrasil | Fale com o Nippo