Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Terça-feira, 21 de novembro de 2017 - 18h56

Conversando de RH

03 de novembro de 2016
FAMÍLIAS BRASILEIRAS NO JAPÃO – A luta (difícil) pela integração

Como nissei, tenho orgulho de minhas origens e valorizo demais os princípios e valores que recebi de meus avós e de meus pais, os quais, apesar da simplicidade e da vida sofrida e humilde que tiveram, transmitiram-nos conceitos valorosos sobre honestidade, dedicação, disciplina. E, a admiração pela cultura japonesa. Causa-me desconforto, por consequência, qualquer notícia sobre desentendimentos, insatisfações e conflitos que envolvam a população nipo-brasileira no Japão.

Com o advento do fenômeno “dekasseguis” iniciado há mais ou menos 30 anos atrás, sempre me preocupei com a problemática da integração dessa comunidade nipo-brasileira “em trânsito” dentro da sociedade japonesa, sabidamente rígida, formal e de pouca flexibilidade. São inúmeros os exemplos de tratamento preconceituoso e até de discriminação sofridos pelos brasileiros, apesar do fenótipo, do próprio sobrenome e da consanguinidade japonesas que possuíam. Para todos os efeitos, no Japão, os “nikkeys” são considerados brasileiros e não japoneses. Esses conflitos ocorreram com muita frequência nas fábricas, principalmente nos primeiros anos da migração brasileira, período no qual milhares de “nikkeys” buscaram o País do Sol Nascente como uma tábua de salvação, um novo Eldorado. Não acostumados aos serviços duros e pesados, estritamente operacionais aos quais foram submetidos, somada à dificuldade de comunicação por não dominarem o idioma japonês e agravado pelo tratamento duro, frio e nada cortês dos gestores nativos, os brasileiros quase entraram em colapso, somente superado pelo orgulho próprio e pela extrema necessidade financeira, que os levaram para lá. Houve uma sensível melhora nesse “status quo” nos últimos anos, pela conscientização dos dirigentes e gestores, pela interferência das Autoridades e pela repercussão do assunto na mídia em geral.

Outra grande preocupação sempre foi a da educação das crianças brasileiras no Japão, algumas que nasceram no próprio país, crianças cujos pais eram tomados pela grande dúvida, preocupados em oferecer uma melhor educação para os filhos. O que seria melhor, colocá-los em escola brasileira e em escola japonesa? É sabido que as escolas brasileiras têm deficiência em sua estrutura e são mais caras e as japonesas têm um grade escolar mais puxada, rigorosas, mas é a porta de entrada para um futuro melhor, por preparar a criança dentro dos princípios, regras e costumes valorizados pela sociedade japonesa, além de possibilitar a fluência no idioma local.

Entretanto, e lamentavelmente, sabe-se que ainda ocorrem casos de “ijime/bullyng” em algumas escolas japonesas, onde o regime disciplinar costuma ser bastante rígido. Os maus tratos ocorrem por parte dos professores e funcionários e principalmente, a partir dos próprios colegas que, de forma preconceituosa contra o aluno “nikkey” , isolam-no ou o ridicularizam. Mesmo que nascidos no Japão, os brasileiros são tratados como “estrangeiros”, não importando se domina a língua japonesa e se adaptados à cultura e à sociedade japonesa.

O choque cultural também chega ao nível dos pais que, quando convocados pela direção da escola para tomar conhecimento de eventuais ocorrências com o filho na escola, os pais brasileiros já deparam com as dificuldades na comunicação para inteirar-se do ocorrido por falta de fluência no idioma japonês e também, pela atitude preconceituosa, de soberba e de pouca boa vontade que caracterizam os pais nipônicos, ressaltando a diferença de cultura existente. Essa postura gera conflitos de adaptação e de identidade, pela não aceitação por parte dos nativos.

De todo esse cenário complicado deduz-se que o grande desafio às gerações atuais e próximas dos filhos de imigrantes brasileiros é buscar, através do diploma universitário ou mesmo de um curso técnico, o caminho mais seguro para a afirmação pessoal, a ascensão social e o sucesso. Felizmente, temos exemplos de inúmeros jovens que já conseguiram atingir esse objetivo e hoje, além de perfeitamente integrados à sociedade, estão muito bem colocados profissionalmente.

“Quem supera a si mesma, supera o mundo!”
Dra. Luciane Patrícia Yano-Psicóloga



Katsuo Higuchi
Profissional de RH; como executivo e empresário , atua
na área há mais de 40 anos. Foi diretor da empresa AVANCE DO BRASIL.
e-mail: rk.higuchi@gmail.com

Portal Nippo-Brasil: contato@nippo.com.br
 
 Arquivo
 Recursos Humanos e Gestão de Negócios
• Diferenças que aproximam
• FAMÍLIAS BRASILEIRAS NO JAPÃO – A luta (difícil) pela integração
• Mudar para crescer
• Brasil, um país de contradições
• Por que sonhar é importante?
• O meu maior legado
• Pílulas de otimismo
• Tempos modernos
• EMPREGADO ou EMPRESÁRIO, qual é a melhor opção?
• Da Balada de Narayama aos tempos atuais
• Em busca do ideal
• Lições do Carnaval
• Crianças dão lição em Master Chef
• É Dezembro ...
• Laços de Família
• TERCEIRA IDADE, uma força que desponta
• Pêssego, caqui, ou jaca: qual é a fruta de sua preferência?
• Omotenashi, a arte de encantar as pessoas
• O dilema de escolher a profissão certa
• Convivendo com as diferenças no ambiente de trabalho
• 2014, Ano do Cavalo, novas esperanças...
• Ser líder é importante; Saber ser liderado também.
• A arte de encantar
• Falando de assédio moral e sexual dentro das empresas...
• É Dezembro...
• MUDANÇA DE EMPREGO: Dicas úteis para este fim de ano
• Ser tímido atrapalha na hora da promoção?
• “Há empregos, faltam profissionais“
• Você é racional ou emocional em suas decisões?
• EMPREGABILIDADE – O que é?
• O que é essa tal de “ASSERTIVIDADE”?
• O poder do NETWORKING
• A hora da verdade: a entrevista de seleção
• Modelo de um “ histórico de vida “
• CURRÍCULO = Cartão de Visita Profissional
• O crescimento econômico e as suas exigências
• SHOOKAI (Apresentação)

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2017 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

146 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases